quarta-feira, 27 de agosto de 2008

POETA ROSA FIRMO EMPOSSADA NA CADEIRA 28 DA ACADEMIA LAVRENSE DE LETRAS



Querida poeta Rosa Firmo, fiquei imensamente feliz em ver minha amiga ocupando o seu lugar de direito na Academia Lavrense de Letras. Muito nos honra tão alta comenda, que reveste a estrela mais meiga das terras cearense, nossa estimada confreira em solo potiguar. Beijos e muito sucesso sempre.
A SPVA/RN parabeniza à Poeta Rosa Firmo pela sua posse na Cadeira 28 da Academia Lavrense de Letras.

www.academialavrensedeletras.blogspot.com

CADEIRA Nº 28.
Rosa Firmo Bezerra (Academica)


Data de nascimento; 08/01/1946 Natural do Sítio Tapera, distrito de Quitaiús – Lavras da Mangabeira – Ceará Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Ceará - 1980 Especialização em Orientação Educacional pela UFC – 1981 Curso de Teologia Catequética FAFIFOR - 1986 Pós graduação em Orientação Educacional - Supervisão Escolar e Administração Escolar pela Universidade Estadual do Ceará – 1992 Professora do ensino fundamental da rede municipal de Fortaleza 1973 – 1999 Coordenadora e professora fundadora do curso pedagógico da Escola Presidente Médice – Messejana – 1984 Orientadora Educacional de Escolas do ensino médio da rede Estadual e Municipal de Fortaleza - Ce Coordenadora fundadora de Grupos de Trabalhos voluntários do Lagamar (CEBEs) Aerolândia – Fortaleza –Ce – 1975 – 1989 Master em Programação Neuro- lingüística – Fortaleza – Ce - 2004. Desenvolve pesquisa sobre cultura popular regional em diversas bibliotecas. Membro da SPVA – Sociedade dos poetas vivos e afins – Natal –R/N Trabalhos Publicados: Nobreza de Uma Mulher Sertaneja – Imprensa Universitária Fortaleza – Ce. - 2003 Chuvas de Verão - Editora - RBS Fortaleza –Ce – 2005 Não publicados: Trabalhos técnicos educacionais: Proposta de Trabalho de Orientação Educacional - Participação - Fortaleza – 1994 Manual de Orientação educacional – UVA – 1999 Outros: Prisioneira do Sol no ocaso (vislumbrando uma luz) Editora: Livro Livre – Natal/RN – 2000 Opúsculo Cidades históricas de Minas Gerais Editoração eletrônica Sandro Vasconcelos Imprensa Universitária -Fortaleza – 2001 Opúsculo: Ponderações na perspectiva de luz Editora MMO Lili Graf – Natal - 2007 Publicações em Periódicos Jornal Binóculo – FORT - CE Jornal Papo Expresso – SPVA / R/N Recanto das letras - Eletrônico Jornal da Poesia J. Soares – Eletrônico Jornal O Mossoroense. Trabalhos na área cultural: Oficinas pedagógicas de poesias Mostra literária de poesias ilustradas - 2007 Documentário da poetisa Leda Maciel - 2006.
Fonte: rosa-firmo@hotmail.com


Francisco Bezerra Sampaio (Patrono)


Nasceu aos 14 de outubro de 1924, Francisco Bezerra Sampaio no Sítio Tapera, à margem do Riacho do Rosário – Quitaiúis - distrito de Lavras da Mangabeira, filho de Domingos Firmo de Sampaio, agricultor e Ana Bezerra de Sampaio, dona de casa. O terceiro filho de uma pequena prole para aquela época. Seis filhos. A Tapera estava em festa, era véspera da primeira noite do novenário de Nossa Senhora do Rosário. Chiquinho nasceu, portanto, num dia animado, por isso tornou-se um jovem alegre, prosador, cheio de repentes, mais tarde tornou-se um poeta popular. Chegou ao mundo, sem pompas nem regalias, apenas recebido com muita alegria e carinho pelos pais e familiares por ser um varão. Cedo iniciou sua vida no campo como ajudante de agricultor, abraçou a agricultura, e cresceu no rabo da enxada, e ao lado do pai consolidou o ofício; além de agricultor foi vaqueiro e tropeiro, transportando mercadoria para cidades vizinhas. Abraçava o trabalho de corpo e alma, como filho de pequeno agricultor freqüentava a escola apenas nas horas de folga. A base de suas formação se deu na casa de seus familiares, com professor de família, o seu primeiro mestre foi Manoel Ferreira Lima, popularmente conhecido como mestre Manoel Pelado que ministrava aulas no alpendre. Assim aperfeiçoou seus conhecimentos, graduou-se em caligrafia manuscrita e aprendeu as quatro operações. Anos depois, de ter lido sozinho, a cartilha nas folgas das grandes estiagens, retoma os estudos com essa mesma cartilha, Ensino Rápido, noutra escola que funcionava na casa de Alexandre Ferreira Lima – Xandim. O professor observando seu desempenho passou para ele estudar no primeiro livro. Seis anos depois voltou para a terceira e última escola, e num espaço de dois meses adquiriu o hábito de leitura. Antes só o fazia por exigência dos mestres e de seus pais. Sendo Chiquinho sobrinho de Joana Bezerra de Sampaio, que residia com seu primo padre Vicente Augusto Bezerra em Aurora, teve também uma grande influência para a leitura através dos mesmos. Foi convidado pelo padre Vicente para estudar no Seminário Menor da referida cidade. Egresso desse Seminário que permaneceu apenas alguns meses, por não se adaptar ao sistema de clausura, pois seu caráter era de um andarilho. Nos meses que integrou no Seminário foi o suficiente para despertar mais ainda o interesse pela leitura. Chiquinho era extremamente tímido, segundo ele para assinar a lista de votação, quando ao votar pela primeira vez, teve que tomar uma dose de cachaça, assim mesmo, tremia como uma vara verde. Na sua caminhada de boêmio, costumava reunir-se com os primos de Fortaleza e faziam serestas tomando pingas, dessa forma tornou-se um viciado. Sua leitura preferida era literatura de cordel. Atraído pelas idéias, adquiria alguns emprestados. Posteriormente passou a comprá-los, recitava-os para os familiares e amigos no alpendre das casas em noite de lua cheia com muito entusiasmo. Com o incentivo de seu parente João Gonçalves, estimulou-se pela leitura em prosa, nesse gênero o romance era sua preferência. Os primeiros autores que leu foram: Machado de Assis, José de Alencar, Rachel de Queiros, Eça de Queiroz, José Américo, José Lins do Rego, Gilda de Abreu, Júlio Ribeiro. Os humoristas que mais apreciava, Quintino Cunha, Emílio de Meneses. Os folcloristas, Leonardo Mota, Câmara Cascudo entre outros. Impressionava-se e fascinava-se com a desenvoltura dos autores. Graças a seu hábito de leitura é que, tornou-se o maior leitor da região. Montou sua própria biblioteca com livros doados e adquiridos por ele mesmo. O seu bom acervo hoje e transformou-se numa biblioteca comunitária. Ainda jovem, por iniciativa própria, quinzenalmente ele visitava a casa de padre Vicente, onde de lá voltava com livros e outras informações que auxiliavam nos seus conhecimentos. Chiquinho era muito reservado e mesmo parcimonioso em suas conversas e ações, se mostrava cômico. Com freqüência ele ia as cidades de Juazeiro e Crato, visitava universidades, museus, bibliotecas, feiras de livros, exposições de artes; procurou o convívio com poetas e escritores da região. Firmou amizade com os intelectuais como, Raimundo Oliveira Borges, Rosenberg Cariri e Patativa do Assaré. Estava sempre atento às publicações de romances de diversos autores. Na década de 1980 Chiquinho começou suas viagens para Fortaleza, visitava seus primos, amigos, e escritores como, B C Neto, e outros. Procurou conhecer a Academia Cearense de Letras, Centro Cultural Dragão do Mar e outros centros culturais. Foi um grande admirador das artes em geral, um apaixonado pela música. Seus astros preferidos foram: Augusto Calheiros, Vicente Celestino, Silva, Núbia Lafaiete, Claúdia Barroso. O seu ídolo da música popular, Luis Gonzaga o rei do baião. Na literatura de cordel ele via e sentia os poetas com a alma inebriada. Foi assim que se tornou um poeta cordelista. Como grande apreciador da música comprou um violão aprendeu a tocar de ouvido, pois não existia aula de música naquele rincão longínquo. Boêmio e seresteiro, cantava nas noites de verão nos alpendres de sua casa e de familiares animando festas e debulha de feijão. Casou-se com a prima Neomísia Bezerra Sobreira Sampaio. Dessa união nasceram quatro filhos. Além da literatura de cordel, Chiquinho também exerceu o ofício de professor em sua própria casa, ministrando aulas das quatro operações básicas da matemática e aulas de português. Na década de 1980, em Quitaiiús foi integrante da Comunidade Eclesial de Base, e como membro ativo foi escolhido para exercer o cargo de coordenador setorial. Encanta-se o poeta numa data histórica - 07 de setembro de 2007. “Estamos na estrada da vida como aventureiros trilhando nosso caminho até o dia que Deus nos chama”. R.F Um nome fica na história, Quitaiús fica mais pobre com a partida do nosso poeta popular conhecido por seus cordéis comemorativos para datas alusivas, bem como das tragédias ocorridas na região. Segundo Câmara Cascudo, os poetas não morrem, encantam-se. Chiquinho está imortalizado em centenas de poemas e outros escritos que ficaram soltos ao vento. Partiu o poeta que se encantava com a lua, com as plantações do roçado, com a poesia, com os livros, e em geral com todas as artes. Vivia feliz entre os livros e o roçado, no entanto não realizou seus grandes sonhos, que seria editar todo seu trabalho em livros. Houve muitas promessas por parte de autoridades, bem como de amigos, que não foram cumpridas. Não realizou o desejo de conhecer a terra de Câmara Cascudo, não teve a oportunidade de ler o livro “O Rosário de Quitaiús” de Rosa Firmo, que tanto desejou e auxiliou sobremaneira na pesquisa; pois ainda encontra-se no prelo. Sabemos que o reconhecimento vem daqueles que valorizam e respeitam o trabalho dos poetas populares, como foi o caso do escritor e crítico literário Dimas Macedo, que recentemente, reservou uma cadeira para ele na Academia Lavrense de Letras, bem próximo a sua partida. Acreditamos que ele está ocupando uma academia num plano superior. (setembro de 2007) Obras:Ba¾ Baertão – esboço de livro - idem ¾ Vida de Sertanejo - esboço de livro - ibidem Cordéis: ¾ Marina ¾ Bernardo Cintura e Chico Tira ¾ Caprichos do Destino ¾ Minha Vingança ¾ Destino Trágico ¾ Mulheres Que Se Destacam ¾ O defensor do Jumento ¾ A Tragédia do Motoqueiro ¾ Pe Manoel Bezerra Machado 25 anos de sacerdócio ¾ O Riacho do Rosário e Sua Gente ¾ O Triste Fim de Lourival.
Fonte: Rosa Firmo.

Um comentário:

cicero alves de brito disse...

quitaius sente muito orgulho de sua filha rosa firmo que tem nome reconhecido na cultura cearense